EconomiaSem categoria

Redistribuição para os ricos ou para os pobres?

por ter uma análise sociológica de como algumas políticas ineficientes são adotadas graças à combinação de um sistema democrático com uma grande desigualdade, como o brasileiro. A leitura desse livro me deu a ideia de escrever esse artigo. Cheguei a ele graças à excelente indicação de meu colega, também diplomata, Santiago Pinto.

“Complacência” ou “Capitalismo. Modo de Usar”

de Fábio Giambiagi. Dois livros muito importantes. Ao contrário do livro do Mendes, eles não têm uma análise sociológica muito desenvolvida, mas, sim, econômica. Dos dois, o primeiro é mais simples que o segundo, mas ambos possuem argumentação similar, tratando dos principais problemas da economia brasileira. O primeiro é mais prático, enquanto o segundo é um pouco mais teórico. São acessíveis para não economistas.

“Reinventando o Capitalismo de Estado”, de Aldo Musacchio e Sergio G. Lazzarini. Muitas das ideias desse livro serviram de base para os livros citados anteriormente. Ele trata especialmente da questão da relação “incestuosa” entre o setor privado e o setor público, com uma excelente análise sobre o BNDES.

Para uma leitura mais teórica de ciências políticas e de economia institucional, recomendo o livro “Why Nations Fail”, de Daron Acemoglu e James Robinson. O conceito de “Estado extrativo”, em que grupos com dominância política capturam o Estado para extrair as riquezas da sociedade como um todo e manter seus privilégios, é extremamente importante para entender a situação brasileira. De acordo com os autores, é essa “forma de Estado”/organização institucional que atrapalha o desenvolvimento de todos os países subdesenvolvidos. Trata-se de uma obra exemplar e essencial para qualquer pessoa que deseja aprofundar seus conhecimentos de economia e de política.

Rafael Galera é diplomata brasileiro e idealizador do projeto Academia dos Cérebros. As opiniões expressas nesse texto e nessa página, entretanto, são exclusivamente pessoais, não representando as posições do Ministério das Relações Exteriores ou do Governo Brasileiro.

Ver mais

Artigos parecidos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ver também

Close
Close